Resenha Histórica

A freguesia de Maceira foi elevada à dignidade de Vila, a 20 de Junho de 1991, por decisão da Assembleia da República e na sequência de proposta do deputado leiriense João Poças Santos, sendo vereador da Cultura e Vice-Presidente da Câmara Municipal de Leiria o Senhor Dr. Vítor Lourenço, defensor exímio dos interesses da população de Maceira.
 
As suas gentes chegaram aos mais recônditos lugares, desde a Europa e África, até às Américas e Ásia. No entanto, a saudade e o amor às suas raízes quase sempre venceram: por isso, muitos regressaram à terra que os viu nascer, num abraço que jamais se desfará. Como diria Miguel Torga: Dei a volta ao Mundo, mas venho dormir à terra onde nasci…
 
Ignora-se quem foram os primeiros povos que habitaram estas paragens de Maceira. Tudo leva a crer que tenha sido habitada por povos pré-históricos, na medida em que foram encontrados nesta área utensílios dessa época, como pedras de corte, machados, sílex e outros. 
 
Não esqueçamos que, na Ribeira do Sirol perto de Leiria, foi descoberto o corpo de uma criança do tempo paleolítico, o internacionalmente conhecido Menino do Lapedo, com cerca de 25 mil anos.
 
O povo fenício, durante o primeiro milénio antes de Cristo, dominou o Mar Mediterrâneo e a costa atlântica da Europa mais tarde chamada Lusitânia. Os fenícios foram nesse tempo os grandes senhores do comércio e por eles passavam as especiarias do Oriente, os metais preciosos da Europa e o marfim de África.
 
Considerando as enormes transacções comerciais, os fenícios foram obrigados a inventar um sistema de escrita simples, fácil e rápida de interpretação. A eles se deve a criação do alfabeto, como conjunto de 23 sinais simples, correspondentes aos sons emitidos, o que poderá ter acontecido pelo ano 1300 A. C. Deste alfabeto fenício derivaram, mais tarde, os alfabetos grego e romano.
É natural que, nestas trocas comerciais, os fenícios transportassem também, nos seus barcos, emigrantes dos vários povos da bacia mediterrânica e que se vieram a fixar provavelmente também na Lusitânia.
 
Com a expansão do Império Romano, os lusitanos, povo que habitava entre o Tejo e o Douro, acabaram por ser dominados pelos romanos cerca do ano 25 A.C.
 
Foram estes, os romanos, quem mais valioso património deixou na região de Maceira. Encontraram-se lápides com inscrições funerárias (uma delas pôde ver-se, até há poucos anos, na parede da torre esquerda da Igreja Paroquial), moedas e utensílios vários. Foram igualmente encontrados restos de cimento branco e escuro, além de grande quantidade de escória de ferro, o que comprova a fundição de metais, técnica que os romanos dominavam, a partir de matérias-primas desta localidade. 
 
No entanto, de mais rara beleza era a representação do mito de Orfeu que, ao som da lira, amansava as feras. Esta representação ocupava o pavimento da maior sala da casa. Infelizmente, passados alguns anos e por incúria das autoridades, os mosaicos com esta e as outras representações desapareceram, desconhecendo-se o seu paradeiro.
 
Com a queda do Império Romano do Ocidente, a Lusitânia foi ocupada pelos povos bárbaros germânicos, primeiro os suevos e depois os visigodos.
Também os árabes berberes por aqui habitaram. De facto, comprovam-no a toponímia (Alcogulhe, por exemplo), alguns vocábulos (alguidar, alpendre, entre outros muito usados nesta zona geográfica) e a arte em azulejo.
Igualmente os judeus marcaram esta região, por altura da diáspora. Mais tarde, já nos séculos XV e XVI, deram origem às povoações de A-do-Barbas e de A-dos-Pretos (herdade ou quinta do senhor que usava barbas ou andava de preto, as formas típicas de apresentação dos judeus).
 
A primeira referência escrita à localidade de Maceira pode ler-se num documento de 1211, já instituída a nacionalidade portuguesa. Nele se descreve o compromisso entre os Cónegos Regrantes de Santa Cruz de Coimbra e os clérigos porcionistas ou raçoeiros de Leiria.
 
Nesse documento, com data de Dezembro de 1211, aparece o nome de uma ermida chamada Sancte Marie de Macenaria , a par com as ermidas de S. Pedro de Ulmar, S. Pedro de Muel, Santa Maria de Magueigia, S. Miguel do Monte e S. Lourenço de Carvide. 
 
Transcorridos exactamente oito séculos sobre a data dessa convenção (1211-2011), é curioso verificar que as grandes linhas da divisão geográfica e populacional desta área de Leiria se encontravam já estabelecidas. Nesse documento estão mencionadas as localidades, por exemplo, de Colmeias, S. Simão de Litém, Espite, Agodim, Lagoa das Matas, Quintas do Sirol, Caldelas e Souto.
 
No Livro I de Doações de D. Affonso III, com data de Março de 1264, firma-se um acordo de troca de bens entre El-Rei D. Afonso III de Portugal e o Prior do convento e mosteiro de Santa Cruz de Coimbra: El-Rei compromete-se a ceder pelo castro de Arronches, na fronteira com Castela e na posse do Priorado de Santa Cruz, uma série de reguengos (isto é, bens régios), entre os quais totum regalengum suum de Maçanaria quod est in termino de Leyrena (‘todo o seu reguengo de Maçanaria que se encontra nas imediações de Leiria’).
 
Assim, desde meados do séc. XIII, esta região de Maceira, incluindo a ermida de S. Maria de Macenaria, ficou na posse do Priorado de Santa Cruz de Coimbra.Tenha-se presente a evolução linguística do português:Matiana (baixo-latim) é o plural neutro de malum matianum (fruto de Mácio), tornando-se o nome próprio do objecto a que se refere – maçã (como acontece à expressão galgo em vez de canis gallicus, ou pêssego em vez de pomus persicus ou fruto da Pérsia).  
 
Matiana (lê-se maciana) é a mais antiga forma no português para indicar o fruto da macieira; ainda hoje, os habitantes de Trás-os-Montes usam a palavra maçana para dizer maçã (segundo as regras da evolução linguística do português, o n intervocálico cai, mas mantém-se o som nasalado). Por sua vez, Gil Vicente usou a forma antiga mançana nos seus versos. Dematiana e maçana derivaram, entre outros, alguns topónimos como Macedo, Macieira, Maceira e Maceirinha (nomes próprios e apelidos).
 
Deste modo, Macenaria ou Maçanaria são palavras relacionadas com macieira (em latim, malum matianum é um fruto com pevides ou caroço). Estes topónimos indicariam, assim, a terra onde se produziam estes frutos ou a árvore produtora de maçãs, ‘uma árvore collossal do mesmo nome’ como diz o Cón. Pereira da Costa na sua Breve Memória da Egreja Parochial de Maceira.
Se atendermos às regras da evolução do português, isto é, as regras da gramática histórica, podemos verificar como a palavra Macenaria ou Maçanaria veio, no decorrer dos séculos, a dar Maceira:
 
1. O n intervocálico cai, tornando-se Macearia ou Maçaaria.
2. O i transpõe-se da última para a penúltima sílaba, ficando Maceaira ou Maçaira (o povo ainda hoje diz campanairo em vez de campanário, e breviairo em vez de breviário).
 
3. O a abranda para e, adoptando a forma Macieira ouMaceira.
4. Macieira mantém o i do latim matiana e matianaria(plural neutro, que se adoptou em português como feminino singular).
A ermida de Santa Maria de Maceira era, seguramente, o centro polarizador para onde convergiam os habitantes desta área e lhes foi criando a consciência de unidade paroquial.
 
Sempre terá havido uma forte ligação entre esta ermida e os proprietários da herdade que a rodeava. Esta, pelo acordo atrás referido entre o rei D. Afonso III e o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, ficou na posse deste último desde 1264.
A identidade, como paróquia, desta comunidade de Santa Maria de Maceira foi reconhecida em 1517, data do seuPadrão ou documento escrito em pergaminho e assinado pelo Cardeal Dom Afonso, filho do rei D. Manuel I, Infante de Portugal e Administrador do Arcebispado de Lisboa, dos Bispados de Évora e Viseu, e ainda Administrador dos Mosteiros de Santa Cruz e de Alcobaça, estabelecendo que nessa Ermida «se pozesse Pia de batizar e se dissece missa aos Domingos e festas por hum Capelão que os freguezes pagariam».
 
O mesmo Padrão estabelecia que a nova paróquia era desmembrada da Igreja de Santo Estêvão de Leiria, com conhecimento do Vigário da Vila de Leiria, Cabido e Beneficiários da Igreja de Nossa Senhora da Pena da referida Vila. Incluia as povoações de Pisões, Porto do Carro, A-do-Barbas, Mélvoa, Marinha (seria a Marinha Pequena, perto da Pocariça, em oposição à Marinha Grande), Ribeira de Maceira, as Pocariças [3], Alcogulhe, Cavalinhos, Vale da Gunha, Mangas, Casal do Salgueiro, Arnal com os moinhos, o Moinho de Gregório Rodrigues, e os Moinhos de Cima de Maceira, num total de 80 fregueses ou fogos.
 
Surgiu entretanto um diferendo: o Licenciado Bastiam (Sebastião) da Fonseca, que possuía, ao tempo, a herdade junto da Ermida de Santa Maria de Maceira, alegou que tinha o direito de escolher o capelão da nova paróquia, uma vez que fizera diversas benfeitorias nessa Ermida e tinha intenção de a reformar de novo e adornar com novas jóias, com o que gastava muito da sua fazenda; por seu lado, os beneficiados da Igreja de S. Estêvão reclamavam os seus direitos sobre a mesma Ermida. O desembargador da corte d’el-rei, Christovam Estevens, dirimiu a questão na presença de Sebastião da Fonseca e do Procurador do ‘Cabido da Villa de Leiria’, concedendo ao primeiro a legitimidade de escolher capelão para a ermida de Maceira, mas convidando primeiro os beneficiados daquela Vila.
 
Admite-se que, entre as benfeitorias executadas por Sebastião da Fonseca na Ermida de Santa Maria de Maceira, esteja o seu alargamento ou ampliação, ao estilo do tempo (o estilo manuelino), mas também a construção de uma passagem interna entre o seu palácio e a capela-mor da ermida, onde havia uma tribuna para uso exclusivo da família Fonseca (provavelmente estaria colocada na parede lateral da capela mor, do lado esquerdo: estaria aqui a janela da actual fachada da Igreja?). 
 
Ainda hoje podemos apreciar o pórtico da entrada principal da Igreja de Maceira e a janela da fachada, a porta do Sol e a pia de água benta que lhe é próxima, a pia baptismal e a janela da capela-mor, em estilo manuelino. O seu autor poderá ter sido Diogo Boitaca, pessoa das relações de Sebastião da Fonseca. Todos estes elementos de estilo manuelino foram desmontados na altura da remodelação da igreja, feita entre 1887 e 1904 pelo senhor Cónego Pereira da Costa, e recolocados nos lugares onde hoje os podemos ver.
 
Francisco da Fonseca, filho de Sebastião da Fonseca e de Joana Monteiro, mandou construir a Capela do Pranto ou Descida da Cruz, terminada em 1565, em estilo renascentista. O povo de Maceira chama-lhe Capela dos Santos Brancos: trata-se de um retábulo de pedra, donde emergem as figuras de Jesus, morto no regaço de sua Mãe, das santas mulheres e do apóstolo S. João que se encontra à direita de Nossa Senhora. Ressaltam, lateralmente e de pé, duas figuras: podem identificar-se como sendo José de Arimateia com os produtos de preparação para a sepultura, e o Centurião conservando os cravos nas suas mãos.  
 
É hoje possível, mercê da investigação do ilustre maceirense Dr. Luciano Cristino, seguir os diversos titulares da propriedade conhecida por Quinta do Paraíso, ao longo dos séculos. Esta herdade, ou quinta, esteve e manteve-se intimamente ligada à instituição da paróquia de Maceira. 
A história da Quinta do Paraíso nem sempre foi pacífica. De facto, em 1673 o Santo Ofício da Inquisição em Portugal levantou um processo de inquirição sobre as origens de ‘sangue puro’ (isto é, sem sangue judeu e, portanto, cristão-velho) de Bernarda Cerqueira, com 80 anos e viúva de Manuel Botelho, proprietários da Quinta de Maceira. Pela suspeita de ser cristã-nova, perdeu o direito de posse da quinta, arrestada pelo Santo Ofício.
 
Nos princípios do século XX, a Quinta do Paraíso foi adquirida pelo Senhor José de Sousa (o ‘Brasileiro’). Natural de Maceira (Pocariça) e filho de João de Sousa Padeiro e de Anna de Sousa Barbeiro, casou com Rosalia de Jesus, filha de Joaquim Coelho e de Eufrazia de Jesus, do lugar da Moita, freguesia de Pataias. Foi pai de numerosa família.
 
Numa das suas deslocações entre Maceira e Pousos, onde também possuía uma quinta, ao passar por Leiria e vendo a imagem de S. José (seu onomástico) lançada à rua por ter sido retirada do convento de Santa Ana em Leiria, por ocasião da implantação da República, adquiriu-a e trouxe-a consigo para Maceira. Assim, evitou que fosse queimada, como aconteceu a muitos outros objectos de culto do referido convento.
Imagem de S. José (séc. XVIII), salva da destruição em 1910 por José de Sousa; encontra-se na capela da Pocariça.
 
José de Sousa entregou a imagem ao Senhor Cónego José Pereira da Costa, então Prior de Maceira, que a colocou na capela da Pocariça, cuja construção promovera.
 
De facto, por ocasião da peste de 1856, alguns habitantes da Pocariça haviam feito a promessa de construir uma capela dedicada ao mártir S. Sebastião, mas este voto não chegou a ser cumprido em vida dos que o fizeram. Eram (e são) padroeiros, da referida capela da Pocariça, S. Sebastião e Nossa Senhora de Lourdes (esta imagem foi oferecida pelo próprio Senhor Cónego, conforme refere nas suas Memórias). No entanto, a imagem de S. José ficou colocada em lugar de destaque, na parede frontal da capela-mor. Foi  recentemente retirada do seu lugar original.
 
Nos finais do século XX, a Quinta do Paraíso perdeu o seu estatuto e foi desmantelada, terminando assim a História de longos séculos de polarização social e económica.
A freguesia de Maceira sempre teve ligação directa e privilegiada com Leiria, em cujo concelho e comarca ficou integrada, salvo pequenos lapsos de tempo.
De facto, em 1836 esteve ligada ao concelho da Marinha Grande até 1838, data em que este mesmo concelho foi extinto. Registe-se, como curiosidade, que apenas em 2011 foram acordados os limites entre as freguesias de Maceira e Marinha Grande (áreas de Picassinos, Casal da Lebre, Telheiro, Pocariça e Marinha Pequena).
 
Por sua vez, também o concelho da Batalha integrou a população de Maceira, que, por esse motivo, ficou a pertencer à comarca de Porto de Mós. Mas não foi pacífica tal integração. Em 1878 houve o aproveitamento das assinaturas de alguns maceirenses para abonar a mesma integração, dizendo-se-lhes que se tratava de abaixo-assinado para que Maceira voltasse ao concelho e comarca de Leiria. 
 
Sentindo-se enganados, solicitaram a um tabelião (notário) para que redigisse uma Pública-Forma a repor a verdade, isto é, que nunca assinaram qualquer petição para que a freguesia de Maceira pertencesse ao concelho da Batalha e à comarca de Porto de Mós; pelo contrário, desejavam que voltasse a pertencer ao concelho e comarca de Leiria. Entre as diversas assinaturas figuram as de Januario Gaspar (ver página Regedores em Maceira) e de Joze Mathias. A pública-forma foi entregue a Jose Antonio Loureiro.
 
Em 19 de Fevereiro de 1904, o Presidente do Conselho de Ministros Ernesto Rodolfo Hintze Ribeiro assinou um decreto a estabelecer os limites, anteriormente ‘confusos e contestados’, entre as freguesias de Maceira e Batalha, aceitando o parecer de uma Comissão nomeada para o efeito e referindo que as respectivas cartas e plantas ficariam arquivadas e autenticadas. No entanto, não foram encontradas, nem sequer o decreto a nomear a referida Comissão. Apesar disso, hoje não existe contencioso entre as duas freguesias.
O povo de Maceira é multifacetado. De modo geral pacato, tem amor à sua terra, que procura valorizar. Descendente de sangue e culturas diversificadas, nele se cruzam modos e feitios. Lusitanos e fenícios, judeus e árabes, romanos e eslavos constituem mescla que o bom povo de Maceira reflecte.
 
AUTOR: Dr. Agostinho Matias